Klítoris, lábios, pénis e tomates......

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Klítoris, lábios, pénis e tomates......

Mensagem  Kllux em Ter Jun 10, 2008 2:01 pm

Menina ou menino? Uma pergunta difícil de responder para quem nasce com sexo indefinido



A simples pergunta "É menina ou menino?" nem sempre tem uma resposta imediata. A dificuldade baseia-se no facto de, anualmente, uma em cada 4.500 crianças nascer sem o sexo definido, um "trauma" para os pais bem conhecido dos médicos.

Quando um bebé nasce pode ter um aspecto masculino mas não ter os testículos na bolsa ou ter um pénis que não se formou normalmente porque o orifício (uretra) não se desenvolveu.

Há outros casos em que a criança tem um clítoris maior do que aquilo que seria de esperar e os pequenos lábios não se abriram, não se sabendo se é uma menina em que o clítoris cresceu muito ou um menino em que o pénis não se desenvolveu normalmente.

Estes casos são alguns dos exemplos das doenças do desenvolvimento sexual, antigamente designadas por intersexos, que se estima que afectem cerca de 20 crianças portuguesas por ano, disse em entrevista à agência Lusa o chefe de serviço de cirurgia pediátrica do Hospital D. Estefânia, Paolo Casella.

"Quando olhamos para um bebé com estas características a primeira coisa que temos de perceber é se ele é masculino ou feminino do ponto de vista físico e genético", explicou.

Por outro lado, é importante saber se a mãe fez alguns tratamentos hormonais ou se começou a produzir hormonas masculinas devido à existência de um tumor.

"O que acontece é que a mãe está a gerar uma criança do sexo feminino, mas essa criança está a ser influenciada por hormonas do sexo masculino produzidas pela mãe ou pelo feto e a criança vai virilizar", adiantou o cirurgião.

"Dependendo dos genes e das hormonas, o embrião vai desenvolver-se em testículos ou ovários", sublinhou o médico, frisando que a maioria dos casos tem solução.

Uma delas é uma cirurgia correctiva inovadora que está a ser praticada há mais de um ano em Portugal e que consiste em não retirar os corpos cavernosos que formam o pénis e escondê-los por debaixo dos grandes lábios da vagina.

"Antigamente cortava-se ou dobrava-se os corpos cavernosos, só que quando havia erecções eram dolorosas", disse. A nova cirurgia permite à pessoa reverter, caso não se sinta de acordo com a sua identidade sexual, justificou o médico.

Paolo Casella mostrou à Lusa uma das duas intervenções cirúrgicas deste tipo que realizou no Hospital D. Estefânia, em Lisboa.

Tratou-se de uma menina com menos de um ano que foi virilizada e que os pais quiseram operar, porque vivem num ambiente onde as pessoas não aceitam esta situação.

Apesar desta intervenção cirúrgica representar um passo em frente no âmbito do tratamento destas situações, o médico ressalva que "nem sempre é possível de realizar, nem sempre deve ser feita".

Este é um dos argumentos da Sociedade Norte-americana de Intersexo, que defende que a maioria das operações feitas na infância deve ser deixada para quando o jovem já é capaz de decidir sobre o que quer fazer.

Mas a precocidade da operação resulta muitas vezes da vontade dos pais e dos médicos em corrigir a situação.

Para os pais é sempre um "trauma" quando são confrontados com uma situação destas e pedem aos médicos para resolver o problema o mais rapidamente possível.

"É uma emergência social", frisou Paolo Casella, afirmando que estas doenças têm de ser tratadas "precocemente" por uma equipa multidisciplinar (endocrinologista pediátrico, pediatra, geneticista, pedopsiquiatra e cirurgião).

A decisão é sempre tomada em conjunto com os pais e baseada em vários exames médicos para se obter um diagnóstico mais preciso e a terapêutica aplicada ser a mais correcta em relação a cada uma das situações.

Muitas das doenças do desenvolvimento sexual são diagnosticadas à nascença, mas há casos que só são detectados mais tarde, como a síndrome da insensibilidade parcial aos androgéneos (hormonas masculinas) em que a criança parece uma menina mas por dentro é um menino.

Estes casos são diagnosticados mais tarde, porque não aparece a menstruação. "Só nessa altura é que são investigados porque pode aparecer um tumor", explicou.

Mas ainda pode acontecer uma situação mais complexa: a síndrome de completa insensibilidade aos androgéneos.

"A criança nasce como menina, desenvolve-se normalmente como menina, mas não tem útero, nem vagina e tem testículos", sublinhou.

O médico contou à Lusa o caso de uma mulher que estava grávida de gémeos (duas meninas) e que a amniocentese revelou que uma das crianças era "46,XY" (menino) e outro era "XX" (menina).

"Nasceram duas meninas do ponto de vista físico, só que uma delas era 46,XY (um menino)". Ou seja, tem testículos que produzem testosterona, mas os tecidos não a recebem e o corpo vai desenvolver-se no sentido feminino apesar de ser masculino.

Nesse caso, foram retirados os testículos da criança, porque na resistência parcial, mais do que na resistência total, podem vir um dia mais tarde a desenvolver cancro.

A menina, que tem agora cerca de dois anos, foi tratada sempre como uma menina porque os pais entenderam que devia ser assim, mas geneticamente vai ser um menino.

No entanto, disse o médico, "quando olhamos para ela e para a sua irmã gémea esta menina parece um menino, porque é muito mais forte, mais alta e mais agressiva".

Alguns estudos indicam que essas mulheres virilizadas muito precocemente quando chegam à vida adulta identificam-se como sendo femininas, mas depois em termos de orientação sexual vão mudar, sentindo-se atraídas por outras mulheres.

Paolo Casella diz que é preciso fazer passar a mensagem de que as doenças de desenvolvimento sexual "não são um drama e que há solução para estes casos".
avatar
Kllux

Mensagens : 2
Data de inscrição : 10/06/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Klítoris, lábios, pénis e tomates......

Mensagem  Rui Aguiar em Ter Jun 10, 2008 10:25 pm

É por isso que prefiro tê-los nos sítio...
avatar
Rui Aguiar

Mensagens : 135
Data de inscrição : 04/06/2008
Idade : 74
Localização : Cascais

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum